- o que você procura?

quarta-feira, 22 de agosto de 2007

- incesto

O acaso não é amigo.
Inimigo também não.
Não me vale a razão.
De ter tudo que abrigo.

Não valho de ser alvo
De ter falho sendo isto.
Se sou ou não tão falso.
Se me lembro de ter-me visto.

Não que eu seja tão monótono.
Mas não tenho um por não.
Algo assim, que seja póstumo.
Ou que valha um bordão.

Seja lá o que me peça.
O que afirmem ou intriguem.
Ainda sim desfaço a beça.
E enterro os que omitem.

escrito em: Quarta-feira, 22 de Agosto de 2007, 11h27