- o que você procura?

sábado, 15 de setembro de 2007

- truco, patrícia!

- Carrocel! Que tal darmos uma volta de carrocel?
- Não, isso é muito chato.
- Aí, você é quem é chato. Não gosta de fazer nada!
- Escuta, se quiser eu te pago um sorvete. Gosta de sorvete?
- Não quero sorvete. Queria dar uma volta de carrocel, só isso!
- Acontece que ficar girando montado num cavalinho de plástico feliz não é comigo, dona!
- Nhénhénhé... Chatão! Você quebra todo o clima.
- Que clima?
- Nosso clima. Estamos nós dois, a sós, neste parque, e você fica cheio de frescuras!
- Acontece que você só quer fazer aquilo que você gosta!
- Ai, ai... Olha, por que você me trouxe aqui então, Gustavo?
- Porque era o lugar menos cheio da cidade.
- Como você é filho-da-mãe! Vou embora, seu grosseiro.
- Ei, ei, espere. Deixe-me explicar, caramba!
- Explicar? Explicar o que? Isso é humilhante!
- É que eu não gosto de lugares lotados. Você, com certeza, sugeriria uma balada e eu não curto essas coisas, você sabe muito bem disso.
- Não sei por quê topei sair com você!
- É, eu também não sei onde estava com a minha cabeça...
- Começou de novo! Olha, acho bom resolvermos essas diferenças.
Não te entendo. Você foi completamente carinhoso e educado ao me chamar pra sair, agora parece uma obrigação, mas que merda! Por que isso?
- Você aceitou como se fizesse um favor. E isso foi broxante.
- Olha, eu poderia ter dito não, sabia? mas queria sair com você. De verdade mesmo!
- É, sei... A-cre-di-to.
- Pô, e por que você acha que não?!
- Vi a cara que você fez para as suas amiguinhas quando eu disse "Patrícia, sexta-feira to afim de sair, e pensei em chamar você... tá afim?" Você olhou pra suas amigas com aquela cara de cínica. Elas riram, como que por quererem dizer "ai-amiga-faz-um-favor-pra-esse-nerd-encalhado-e-tira-o-rapaz-da-foça-!"
- Que desaforo, Gustavo! Você não presta! Eu só estou aqui porque eu queria sair com você. Mesmo!
- Não mente, larga a mão de ser medíocre!
- Chega! Não vou aturar mais essa ladainha! Estou farta! Vamos embora!
- Tudo bem, você quem sabe...
- Espera aí... Se você acha que não gosto de você, por que raios me chamou para sair então?
- Isso não vem ao caso, Barbie.
- Pára de me ofender e fala logo! Isso está ficando ridículo!
- Foi uma aposta... Entre os amigos e eu.
- Ah, uma aposta, seu filho-da-puta! uma aposta sem vergonha!?
- Ei, calma, não precisa bater!
- Pô, Gustavo, uma aposta!? Como você pôde me chamar só porque ganhou uma aposta!?
Ah! Já sei, nem me diga! Nem precisa me dizer, já sei! Você e seus amiguinhos nerds Deviam estar pensando: "Olha lá, lá vem a Patrícia, todos nós pagamos um pau pra ela, mas ela nunca sairia com a gente! Somos nerds!" Seus ridículos! Aí, com certeza, algum de vocês proporam alguma aposta do tipo: Quem gabaritar a prova de Física chama ela pra sair!
Aí, você, Don Juan as avessas, deve ter ganho e foi lá... receber o prêmio! Seu ridículo! Se eu soubesse teria dito não!
Seu idiota! Por que tá rindo?
- Bem, na verdade não foi bem assim...
- Ah, não, como foi então?
- Quer mesmo saber?
- Claro! Agora mais do que nunca!
- Bem, tudo bem...
Pra começo de conversa...
Apostamos numa partida de truco.
E eu não ganhei a aposta.
Eu perdi!