- o que você procura?

sexta-feira, 12 de outubro de 2007

- precisão

Do meu olhar febril
Nasce duas reticências:
Ora sei, sou hostil,
Outra sou reminiscência.

Envenenaram-me horas e vezes
E nem por isso me corrompi.
Também não elaborei teses
Sobre as coisas que aprendi.

Sei que nessa vida,
Todos sabem que não se sabe,
E quando acham que já se soube
Já fugiram da realidade.

Estou cansado de ser possível,
Possibilidade é matemática!
Sou engrenagem ou perecível?
Estático ou peça dramática?

Tem no céu algo tão claro,
Nos meus olhos é escuro.
No meio das horas eu paro
Dou-me conta: nada é puro.

É ruim pensar em morte
Ou sobre vida ao paralelo
Se eu feder já terei sorte.
Deus e Darwin, meu flagelo.

escrito em: Quinta-feira, 11 de Outubro de 2007, 20h22