Páginas

- o que você procura?

quinta-feira, 15 de novembro de 2007

- abismo eu

Para que este segundo?
minuto? hora?
Para que este inferno de espaço?
- Tenho vontade de ir embora...
Me sinto vivo pelo pulso,
vermelho e coagulado.
E meu espírito avulso,
ao avesso, crucificado.

Do que é feito o instante?
De que me adianta o além?
Não temo o inferno, o cão errante
e nem cristo, três coadjuvantes.
Vão me condenar.
Serei maldito.
Vão ajoelhar.
Perdão por ter me lido.

Eu vago para que?
Sobrevivo e me alimento onde?
E insisto em quem, por quê?
... o mais minúsculo verme tende a fonte.
Estou embriagado de torpor.
Alucinado pela carne.
O sagrado não me faz calor.
Nem o maldito me arde.

Tudo ao mesmo tempo,
a lugar algum.
Me nutrindo a todo instante
deste eterno jejum
É como um fogo queimando a cruz,
a contradição da minha alma.
É como a condição de fazer jus
morrendo à procura da calma.

3 comentários:

  1. "E meu espírito avulso,
    ao avesso, crucificado."

    sensacional!

    adorei...

    beijos

    ResponderExcluir
  2. Do que é feito o instante?
    De que me adianta o além?
    Não temo o inferno, o cão errante
    e nem cristo, três coadjuvantes.

    Demais!
    muito do que acredito está nesse poema...

    ResponderExcluir
  3. "Vão me condenar.
    Serei maldito.
    Vão ajoelhar.
    Perdão por ter me lido."

    tipo, meu, uau.
    gostei pacas.

    ResponderExcluir