Páginas

- o que você procura?

domingo, 2 de março de 2008

- caí

Caí!
Levantei-me batendo o pó.
Vestes sujas, desajeitadas.
Esburacadas, causava dó.

Olhei ao chão:
Traços do ajoelhado.
Toquei em mim,
Um tanto quanto ensangüentado.

Tentei andar;
Longo caminho só.
Porém, despreparado,
Tornozelos me faziam dó.

Acendi o pito,
Empoeirado.
Bradei ao fogo
Sem ter-me queimado.

Perguntei fronteiras,
Caí no vil.
Mais uma vez;
Inocente cio.

Sentei-me um pouco,
Bestificado.
Tamanha estrada;
Me fiz cansado.

Estive a ponto
De desistir,
Molhei o rosto
Encorajei-me a rir.

Tamanha dor,
Me incomodava
Estanquei o sangue.
Adormeci sem casa.

Caminho longo,
Mas, sigo em frente.
Um tanto bobo
Sem dividas pendentes.

Corri um pouco.
Depois, segui a levante.
Me apaixonei,
Uto-flora exuberante.

Amadureci,
Feito fruto forte.
Galhos robustos,
Machado algum causava corte.

Enobrecido
E bem cuidado,
Sentenciei-me
Um condenado.

Apodreci.
Fruto bastardo.
Em meio aos galhos,
Desajeitado.

Caí, de novo,
Despedaçado.

escrito em: Mauá, 1° de Setembro de 2006

Nenhum comentário:

Postar um comentário