Páginas

- o que você procura?

domingo, 24 de agosto de 2008

- pertinácia humana

Talvez seja totalmente burra e estonteante a perseverança do homem quando prostrado em uma cama, em estágio terminal. Pensar que as virilidades todas somem e o que lhe resta é a discrepância, íntima e infame, a espera de um final.
Agonizar apenas serve de resposta tola a toda dor corrosiva e destrutiva, ao seu orgulho, sua moral. E os espectadores habituais, oram e divinizam seu estado calamital. E depois, de alguma forma, compadece-se a paciência, e todos esperam que Deus ou a ciência, respondam com toda urgência revelando algum sinal.
E naquele emplastro, dói a tua consciência, dói a culpa e a ausência, por não ser unicamente teu este mal.
Pensar que se pode dissuadir tua clemência, mediante a autorização, apertando alguns botões... mas aonde iria a fé e a crença - que neste momento é natural?
Restringido ao lamurio, exalando a éter de hospital, espera-se que, com alegria ou infortunio, renasças das cinzas, ou finde, afinal.

8 comentários:

  1. Talvez seja burra sim, essa pertinácia humana, mesmo quando a linha de chegada parece inevitavelmente atingida, qdo o sofrimento se instala e cria raízes, e não parece haver mais chances. Mas acho que ter fé é algo intrínseco do ser humano, desacreditar é que é exceção. E às vezes dói mais, não ter crenças, e até mesmo ilusões. Diante da inevitabilidade do sofrimento, estar atento aos pequenos gestos, aos pequenos motivos, seja talvez um caminho, uma alternativa, um refrigério.

    ResponderExcluir
  2. é, eu acho que no fim é tudo espera. esperar pra morrer, viver, sofrer, findar.
    a gente é tão pequeno diante da tenacidade da vida...

    ResponderExcluir
  3. Gustavo.
    Estou aqui para avisar que postei o primeiro tema semanal.
    http://imaginarylines.wordpress.com/2008/08/27/desafio-1/
    Será muito legal se você puder participar...

    ResponderExcluir
  4. A espera nos dah tempo de reconstruir o que jah era fato, em mentes humanas muito ignorantes.

    Explico: se fossemos pura "acao", pah-pa-pum! as catastrofes seriam ainda maiores, entao sempre ganhamos algum tempo para "alteracoes divinas".

    PS: Sensacional.
    (palmas!)

    ResponderExcluir
  5. seu blog, blogday, meu blog. abraços.

    ResponderExcluir
  6. Olá, gostei muito do seu blog e de sua abordagem.

    Parabéns!

    Um abraço

    ResponderExcluir
  7. http://flickr.com/photos/thinredjellies/459232799/

    ResponderExcluir
  8. - A violácea onírica do indizível. O relâmpago incompreensível da morte. Os colhões no pé do ouvido, que ensurdessem de mesma forma ao som de estampidos vindo de um pelotão de arcabuz. O zunido, o estorpor, o auto da cartasia final.

    ResponderExcluir