- o que você procura?

terça-feira, 23 de março de 2010

- longo e lento sentimento

Estou bem com você.
Não há presságios, depressão.
Não há verso, sequer separação,
em que eu não a veja, ali,
fragmentando minha razão.

Carrego-a para longe,
para toda e qualquer direção.
Em qualquer intensidade,
em toda situação.
mesmo quando esmaeço pelo canto
ou quando figuro uma intenção.

Já não sei onde mais procurar.
Onde se esconde a tua mão?
Qual a cor do teu perfume?
O gosto da tua voz?
Como posso sair imune
se deténs até minha solidão?

Quem diria que um dia
te procuraria no meu colchão?
Que planejaria uma saída
para até o inferno nos dar uma concessão?
Ou que me importaria
tão somente com a sua opinião?

Mas agora é assim:
Eu te vejo em todo canto
e sublimo todo não.
Até contradisse os românticos
do passado, do presente,
da última geração.

Não sei se é uma prova,
se estou louco ou é pura contradição.
Mas eu sei que não haverá descanso
enquanto eu não lhe provar
Que és, sim, minha extensão.

escrito em: 24 de Setembro de 2007, 2h16.