Páginas

- o que você procura?

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

- alma dócil

A quintessência mais sublime
revela a vida em primazia
e não há nada que se aproxime
do poder da mente que tudo cria.

Ignore toda ideologia que reprime,
concilia-te com o ódio que asfixia,
levante-se cedo e se anime,
qualquer que seja a previsão do dia.

Acredite: não há nada que deprime
o ser humano que cultiva alegria.
Portanto, livre-se do que o oprime
da raiva, do medo e das fobias.

Pois não há limites
para a alma dócil, em harmonia.

20 comentários:

  1. É por isso que você quase sempre recebe comentários femininos. Ninguém resiste a um homem sensível.

    ^^'

    Não use isso como arma, ok?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. - prometo que não usarei como uma arma, minha querida - embora eu já tenha feito isso antes e tenha me ferrado, hahahaha.

      um grande abraço, querida nathi!

      Excluir
  2. Respostas
    1. - thank you, thank you... i shall now bend myself and revere you.

      Excluir
  3. Também sou completamente adepta de tal pensamento. É o exercício diário da busca por um novo olhar que nos faz alcançar um lugar diferente dentro do nosso mundo interno e externo.

    "Se é pra me ferir com teu silêncio, respondeu teu vazio com a paixão".
    (música: Crime Passional, de Filipe Catto)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. - que bom que também partilha desse pensamento, Larissa. às vezes as pessoas tendem a fazer da vida um pesar, um fardo e este não é o propósito.

      Excluir
  4. Estou sem palavras! E olhe que me acontece raramente!

    Este poema é musica nas minhas orelhas, quem me dera poder deitar assim fácilmente fora todas estas correntes que nos prendem a alma! Mesmo se eu trabalho para isso todos os dias!

    Caro poeta obrigada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. - todos nós podemos nos livrar das correntes que nos prendem, pois somos nós quem nos amarramos a ela. a mente tudo cria e tudo transforma.

      Excluir
  5. "Pois não há limites
    para a alma dócil, em harmonia."

    Vou levar pra mim.

    ResponderExcluir
  6. A importância do cultivo! E as pequenas revelações cotidianas. Coisa boa.

    abs!

    ResponderExcluir
  7. Gustavo, uma vez em entrevista, vi Lygia Fagundes Telles dizer que nunca conseguiu produzir um bom texto estando triste. O caminho do meio ainda continua sendo a vereda mais doce. Escreva!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. - há quem pense o oposto, Thais, mas estou com a Lygia. Nada como a alegria.

      Excluir
  8. ... e assim haverá um caminho, para continuar e...
    para a felicidade?

    eu gostava de acreditar que renascemos todos os dias, mas por vezes é mais fácil pensar que morremos todos os dias, um bocadinho de cada vez

    Beijinho
    LauraAlberto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. - e se eu te dissesse que a morte é uma invenção?
      a dor que sentimos resulta unicamente da direção errada, da contra-mão, de tudo que contraímos como ilusão para a nossa vida. a ilusão - porque não existe de fato - é por si só desagregadora. devemos manifestar a plenitude em tudo que somos, pois ser é uma característica única e, por si só, original, eterna.

      grande abraço, minha querida Laura.

      Excluir
    2. vou guardar as tuas palavras, Luís
      "a plenitude em tudo o que somos"

      Beijinho
      LauraAlberto

      Excluir
  9. Ah Gustavo, depois de tanta conversa eu nem sei o que te dizer, esse poema foi um sopro pra mim sabe? Um conselho, uma terapia, uma aviso... não sei.

    olha ai, a catarse de novo.HAHAAHA

    ResponderExcluir
  10. Alma em harmonia,
    deixa-nos longe
    de toda e qualquer
    agonia.

    Aplausos, escritor!
    Belo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. - concordo com você. Nada como viver em harmonia.
      Muito obrigado, Sahara.

      Excluir
  11. Adorei! Delícia refletir paz.

    Bjs, prazer conhecer este espaço!

    ResponderExcluir