Páginas

- o que você procura?

terça-feira, 23 de junho de 2015

- dias Perpétuos [ou a musa atemporal]

Por entre as disforias do tempo, sei que já estive com você em diversos outros desdobramentos de realidade. Mas mesmo assim, ainda hoje, os nossos encontros e nossas palavras me doem como nunca. Um resquício fúnebre de outra vida, por assim dizer. Uma tênue perspectiva: “Sinto medo de perde-la novamente ou de matá-la por dentro agora que tivemos uma segunda chance”.
E quando a encontro – por entre os portais de eras e eras – ainda me sinto carnal e pobre pelos sentimentos que nutro... e entre suspiros e sussurros, eu me prostro, no sobejar de nossas conversas, a te admirar distante, triste e inócuo.
O invólucro do tempo – esta miragem – que insiste em nos manter distantes e nos devorar a cada passada ilusória dos segundos, dos minutos e das horas... infinitamente supressivos, como a frágil expressão do agora.
E do fundo do meu coração melancólico, gostaria de confessar o quanto eu a amo... mas daqui desse plano não posso, não consigo. Por isso, resta-me o mudo movimento das palavras impregnadas de pensamentos que trespassaram no silêncio retumbante dos séculos sendo ditas e escritas, ecoando pelo universo para confrontar os corações daqueles que, assim como eu, ainda sofrem no além-tempo com a confusão do sentimento e das emoções.
- Mas sabe... quando ainda encarnado, apenas no mirar profundo de seus olhos, sem nenhum apelo sensual, me percebia perpétuo e edificante – tal como um avatar, um imortal. Ridiculamente humano, eu sei. Porém, tendo o amor terreno deflagrado por entre as memórias arquetípicas de minhas outras vidas, você – e somente você – tornou-se símbolo eterno de minha busca. Das minhas conquistas. Minha musa. Meu Deus, travestido em feminilidade e deleite. És – e para sempre será – a essência da minha chama espiritual.

Nenhum comentário:

Postar um comentário